sábado, 15 de março de 2014

CORNÉLiO VON VROONHOVEN


Por Seoldo

Nasc.  11/08/1924
Votos     28/08/1944          
Ordenação: 26/07/1949
Falecimento: 2013



À ESQUERDA DA CRUZ, DA JANELA DO MEU QUARTO
COM SORRISO LARGO DIZIA: “I LOVE YOU” CAMPO BELO
FALANDO INGLÊS/PORTUGUÊS/HOLANDÊS, AGORA PARTO
TOCANDO/CANTANDO FELIZ NO ETERNO CASTELO

Nota: estas são minhas memorias, cheias de imaginações, porem não mentiras, do Padre Cornélio com quem  convivi 6 anos em Campo Belo nos fins de 1950 e início de 1960. Não tenho muito mais conhecimento sobre sua trajetória e atuação fora  desse contexto. Fica a oportunidade para quem sabe mais sobre ele.



Era responsável pela banda de
desfile do Dom Cabral...
O crúzio, Pe. Cornélio v. Vroonhoven, além das funções de sacerdote, era professor de inglês do antigo Ginásio Dom Cabral (hoje: Colégio Dom Cabral) e, também, ajudava no funcionamento da EASO (Escola Apostólica Santa Odília) nas décadas de 1950-60... Era considerado muito culto sobretudo em literatura e música. Também era responsável pela banda de desfile do Dom Cabral na eterna disputa com o

Muitas vezes ia com os seminaristas nadar na inesquecível
Praça de Esportes de Campo Belo...
Colégio Armstrong nas festas/paradas cívicas em Campo Belo. Para ele o ritmo tinha que ser perfeito! Ficava vermelhão como um peru quando alguém dava uma 'mancada/manota'...  Gostava de andar de lambreta (tinha um problema na coluna devido a um acidente). Fumava com classe, soltando a fumaça do Continental por um lado só da boca... Muitas vezes ia com os seminaristas nadar na inesquecível Praça de Esportes de Campo Belo, onde dava suas demonstrações em técnicas de natação. Parece que torcia mais pelo Comercial do que pelo Sparta. Por fim, dizia-se  que ele era descendente de família de  'sangue azul'.

Gostava de ficar na janela do seu quarto, no segundo andar, apreciando os jogos (sobretudo as 'peladas') dos seminaristas no campo de terra em frente do prédio (hoje  um estacionamento asfaltado). E como se esforçava para criticar e dar palpites!!!
“Chuta esta bola pra frente, biscoiteiro Ázara!”
“Mais pontaria, Marquinhos... passou raspando!”
“Eta Nonato pra reclamar!!!”
“O Chicão também só fica chorando...”
“Olhe só a botinada do Carraro!”
“O chute do Bessa foi parar la no Brasil Vilela!!!”
“Que Benone desbocado. Pare de fungar o nariz,Benone!”
“Coitado do Santana! Ainda não viu o cheiro da bola!!!”(Santana era um 'menor' emprestado)
“O Rosalino só fica avacalhando o jogo!”
“Zé Aureliano não sai do lugar. Eta preguiça!!!”
“Pare de ciscar/piscar, Tião Coelho!”
“Puxa! Que goleiro frangueiro este Pandeló!!!”
“O João Henrique só fica na banheira. Um verdadeiro parasita!!!”
“Alfredo passou a bola no meio das pernas do Zé Geraldo. Que vergonha!!!”
“O Canhão só dá bicuda torta!!!”
“O Seoldo eh um verdadeiro craque de cabeça!!!”
“Olha só a 'folha seca' do Reginaldo... mas foi pra  fora!!!”
“Que empurrão feio, Rafael! Expulsem o Rafael!!!”


….............................. e por ai continuava sua ladainha. Parava para beber um gole de água, mas seguia atento. Às vezes ficava chateado porque os menores (Lulu, Rogério, Chiquinho, Aloísio, Pigmeu, Edgar, Quadrado, Max, Edmundo, etc...) os quais ficavam na beira do campo para buscar a bola que, de vez em quando, caia no mato ou nas ribanceiras, quase sempre, de propósito, demoravam a devolver a bola para continuar o jogo. Nessa altura,  Padre.Cornélio até berrava babando: “Mais depressa, cambada de Cata Piolhos... Parece que estão com fome!!!”---- Sua presença, lá na janela, estimulava mais a turma de maneira que cada um se esforçava e suava mais e mais para fazer bonito e ser lisonjeado por ele. Só dois grupos não apreciavam seu passa-tempo: o dos 'Menores' acima citado, e os padres cujos quartos ficavam na vizinhança. Uma vez, um padre (parece ser o Justino) gritou para ele: 'Potvordoma, Cor', cale a boca, poxa! Não está vendo que é hora da bendita sesta!!! Também presenciamos com nossos próprios olhos alguns dos 'Menores', escondidamente, dar 'bananas' para ele... o que não deixava de ser um pecadinho naquela época.

Padre Cornélio, só pra comparar a goma da batina.
Padre Cornélio era o que tinha a batina mais bem engomada e os sapatos mais bem engraxados... (o Bessa seguia o exemplo dele). Gostava de andar na linha sem ser vaidoso. Talvez tradição da nobreza. Seu olhar, às vezes, era fulminante/faiscante como o de uma serpente/cascavel (na linguagem do Siovani) e suas gargalhadas 'intempestivas' (na linguagem do Santana) quando ouvia as piadas do Padre Humberto na subida da rampa... Ainda lembro-me bem daquela velha piada em que Padre Humberto (escoiçando/cutucando) contou bem alto, em português, no pé da rampa...: ---”Um granfino da cidade de Juiz de Fora perguntou a um matuto do município de Cristais: Você é feio assim mesmo ou tá chupando limão?  Ao que o biscoiteiro matuto respondeu sem demora: “To ti remedanu”.   É uma piada velha para os tempos de hoje pois agora temos  novas variedades de limão (até limão mel), novos dentes na boca e, presentemente somos  FEIOS mesmo de verdade  sem precisar chupar nada....Espero que o Padre Cornélio emende com outra gargalhada...

Padre Cornélio tinha os cabelos anelados/ondulados da metade para  trás, dando-lhe um ar/aparência de artista medieval ou mesmo de  compositor da era do Romantismo.  Quando estava alegre, murmurava como tenor a Valsa do Lago dos Cisnes... Quando estava menos alegre, cantava baixinho, como barítono, o Danúbio Azul em alemão.

Agora que ele faça o possível para os que ainda estão aqui e que descanse em paz com toda a turma da EASO, presenciando o jogo que não tem mais bola no mato e cantando/tocando juntos o Luar do Sertão.

ADEUS PADRE CORNÉLIO DE SORRISO LARGO
QUE OUÇA EM SILÊNCIO A ETERNA CANCÃO
“DOMINUS VOBISCUM” SEM VINHO AMARGO
ADEUS, PADRE CORNÉLIO, VELHO NOBRE IRMÃO!


24 comentários:

  1. José Tito Gonçalves15 de março de 2014 22:53

    Louvável o seu grande esforço para ensinar “patriotismo” a cambada de alunos que tinha preguiça de cantar o Hino Nacional, a sua exigência no respeito ao horário de entrada das aulas, a exigência com seriedade no ensino de Inglês e francês, e subir morro do seminário aos domingos, após celebrar no bairro da feira, todo suado com seu hábito todo arrumado, enfrentando aquela poeira.
    Abraços
    Tito

    ResponderExcluir
  2. José Rafael Cabral15 de março de 2014 22:55

    Recordo-me, perfeitamente, quando comecei a estudar a disciplina CANTO, com Padre Cornélio, que um belo dia ele pediu para que cada aluno pegasse uma folha de caderno em branco e escrevesse o HINO NACIONAL, valendo nota para a prova mensal.
    Foi duro, duríssimo. Foi um desastre!
    Na aula seguinte ele comentou o estrago. Deu-nos uma aula de CIVISMO da qual nunca me esqueci. Disse-nos que, no mínimo, cada um de nós, brasileiros, deveríamos saber: o Hino Nacional, as cores da Bandeira nacional, nomes completos dos nossos governantes ( Presidente, Governador e Prefeito), nome de todos os Estados do Brasil com suas capitais, etc., etc. Tudo isso dito por um holandês que sabia tudo o que ele nos pedira. Provou isso. Lembro-me que no final da aula a classe ficou de pé e aplaudiu-o!
    Bem, essa é a marca que ele deixou em mim,
    Rafael Cabral.

    ResponderExcluir
  3. Grande texto, amigo Seoldo ! Me lembro do Padre Cornélio, mas não tive aulas com ele. Também não me lembro destas gozações sobre as peladas ditas no texto.

    ResponderExcluir
  4. Não me lembro tanto assim do padre Cornélio. Nos 4 anos em que estive na EASO, só o via nas aulas de inglês e passando pelos corredores. Fama tinha de saber muito bem o português, pois nas traduções das aulas de inglês nos corrigia na língua pátria. Naquele tempo é que aprendi o significado de "sangue azul", pois, em Senhora de Oliveira, todo mundo tem o sa...ngue roxo desde que nasce. O Seoldo diz que ele gritava da janela de seu quarto, tenho que dar crédito ou pensar que é uma liberalidade poética do também filósofo Geraldo. Só não gostei dessa exagerada liberalidade ao colocar-me como gandula, enquanto o Rosalino, mesmo avacalhando a turma, estava em campo.
    Encontrei-me com o Padre Cornélio muito tempo depois, acho que em meados da década 1990, aqui em BH quando fui visitar minha prima Celi Magalhães Fidelis (que Deus a tenha) que convalescia no Hospital São Lucas. Celi era mãe do ex-seminarista Renato Fidelis (que Deus o tenha). Naquela oportunidade, Celi apresentou-nos. Confesso não o teria reconhecido, pois já era relativamente idoso e muito diferente do padre que aparece na primeira foto desta postagem.

    ResponderExcluir
  5. O Seoldo disse que ele era "sem vaidades", sei não. Minhas lembranças de criança correm pelos desfiles da banda do Dom Cabral e, principalmente, pela sala do piano, vendo-o garboso dedilhar as valsas de Strauss, porte ereto, mãos de Diva, "os cabelos anelados/ondulados" pareciam crescer pela sala acompanhando as notas como os cabelos ofídicos da Medusa, milhares de cabecinhas devorando as notas e minha mediocridade por não conseguir retirar daquelas teclas, que os padres me deram de presente com as aulas de piano, nada que pudesse despertar a terrível senhora.

    ResponderExcluir
  6. Fiquei revoltada! O Lulu devia estar em campo jogando e não à margem apenas pegando bolas....Ele jogava bola demais!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com todo respeito, Maria José, mas falar que o Lulu jogava demais......eu heim! O homem (moleque naquele tempo) era um "perna de pau" de marca maior, rsrsrsrs

      Excluir
  7. Edgard Miranda Alfenas18 de março de 2014 19:38

    Hoje foi o primeiro dia da semana em que tive tempo de dar uma olhadinha no blog. Deparei-me com um comentário sobre as reminiscências do nosso convívio no Seminário, por sinal bem elaborado pelo nosso querido Seoldo, e na sequência alguns comentários de cada um dos amigos. Portanto, foi fácil tirar proveito desta carona sobre fatos antigos e reuni-las a algumas próprias lembranças. Concordo com uns, discordo de outros, vá entender!...
    Convivi pouquíssimo com o Padre Cornélio. Mas interessante é que tenho lembranças claras dele. Ele era bastante vaidoso e nisso não vai nenhum desdouro, pois gostava de tentar chegar à perfeição em todos os aspectos. Vocês se lembram da sua missa cantada? Ele impostava a voz para ficar mais bonita e não é que ficava mesmo? Era um gozador de classe e com sutileza, fazendo poucas brincadeiras, mas de muito bom gosto. Lembro-me muito bem que um dia, estando em frente à sala de recreio, ele conversava com Rosalino e comigo, afirmando que a palavra correta era camanhão e não caminhão. Demonstrava tanta convicção que nós ficamos meio que balançados entre as duas palavras. Acreditamos mesmo na afirmativa, diante de sua veemência, e o pior foi que ele esqueceu de desmentir...
    Gostava muito de conversar com ele e, às vezes, até exagerava nas brincadeiras. Digo isso porque um dia o Lulu me preveniu: “Cuidado com brincadeiras com Padre Cornélio. Você pode se lascar quando menos esperar, o castigo dele é de 10 mil cópias pra cima. O padre tem mesmo mão pesada”. Entretanto, dei sorte, pois nunca recebi castigo semelhante.
    Quanto ao fato de ele ser vaidoso, como já disse, tenho lá minhas dúvidas, pois acho que as perfeições ou imperfeições estão nos olhos de quem as vê. O Seoldo, este, sim, é completamente desprovido de vaidade, mas entendo não haver nenhum mal em ser ou não vaidoso. Sobre o sangue azul, tenho clara lembrança de que Lulu comentava comigo. Eu pensava que se tratava de cor do sangue de verdade, porém mais tarde Lulu me ensinou sobre isso. Enfim, o pouco que conheci do Padre Cornélio foi o suficiente para admirá-lo e ter boas recordações, como a voz bonita, o pianista admirável, o holandês que falava português maravilhosamente bem.
    Tudo que foi dito neste texto pode ter algo de verdade ou ser simplesmente lembrança de uma confusa cabeça, trazida desde os tempos de criança.

    ResponderExcluir
  8. Vou tentar um pequeno sumario para todos os comentarios ate agora:
    ---1- Maria Jose, ou voce esta um pouco mal informada ou foi enrolada sobre a habilidade do 'menor' Lulu em jogos de pelada. Ele tinha fama de bom de bola em Senhora de Oliveira porque la ele era o DONO DA BOLA (li isso num artigo dele). Em contraste, na EASO o dono da bola era o Grupo dos Maiores!!!

    ---2- Caieira (tambem conhecido como LUlu), o Rosalino era tambem, na verdade, um 'menor' emprestado so' para tapar buraco em certas ocasioes.... E' verdade mesmo, ele era uma negacao como jogador, mas como era lider do grupo dos "Puxa Saco" fazia tudo para entrar em campo.(Oportunamente falaremos dos famosos "Grupos da EASO".

    ---3- Caro Easista Benone....a unica coisa de que voce se lembra bem la de Campo Belo sao as 'bicas d'agua' do sitio vizinho do Brasil Vilela!!! ( Para refrescar a memoria do grupo dos "Cabeca de Bagre", Benone era natural das vizinhancas da cidade de Bicas.).

    ---4- Siovani e Edgar. Muito sugestiva a observacao de voces sobre as tais 'vaidades' do Pe. Cornelio... Vamos dizer: ele gostava de dar um 'showzinho' meio exagerado para o grupo dos "Boca Aberta".

    ---5- Jose Tito e Rafael. Obrigado pelos importantes acrescimos... Sem duvida, Pe. Cornelio nao balancava o grupo dos "Deitados em Berco Esplendido".

    Abracos a todos. Seoldo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem ! Em pelo menos uma coisa eu e o Seoldo estamos de pleno acordo. O Di-menor, Lulu, era, sim um tremendo "perna de pau". Servia, no máximo para apanhar as bolas fora. Tenho dito !

      Excluir
  9. Refletindo no deserto, cheguei a conclusao de que que devo conscientizar as esposas easistas no que refere ao grupo dos 'MENORES' da EASO para ter mais base de conversa. Desculpe-me se ofendi a voce, Maria Jose que saiu fumando em defesa do 'menor' Lulu. Mas o contexto historico naquela epoca apresentava-se assim: era uma honra/privilegio para um 'menor' ser escolhido para ser gandula nas peladas dos 'maiores'. Alem de assistir o jogo de graca, de aprender anlguns dribles, nao suavam nem se cansavam, pois ficavam sentados, disputando entre si quem pegava mais bola no mato. Os 'maiores' apreciavam este gesto dos 'menores'... tanto assim que chegavam a dar-lhes biloscas de presents e cediam suas vezes de jogar botao para eles, etc... Alguns 'menores', por sua vez, faziam de tudo: buscavam agua e ate chegavam a pedir desculpas que nao estava gelada... carregavam os tenis depois dos jogos... descascavam laranjas...etc... Em vista disso, os 'maiores', um dia, ate resolveram fazer uma votacao e escolher os 'menores' mais ativos e prestativos: 1 - Pigmeu (descanse em paz); 2- Geraldo Lemos (descanse em paz); 3- Edmundo; 4- Quadrado; ...........antepenultimo - Lulu; penultimo: Santana; ultimo: ROSALINO!!!! Foi tao marcante o suporte dos 'menores' como gandulas que, um dos 'maiores', no Encontro em Nova UNiao, me disse bem baixinho que ainda hoje, antes de dormir, reza para eles... Espero que todos os 'maiores' agora facam o mesmo.... sobretudo depois de uma geladinha!

    Em resumo, sem o apoio/suporte logistico dos 'menores' na beira do campo, os 'maiores' nunca teriam tido tantos sucessos nos seus confrontos la no oeste de Minas. E com reconhecimento, solicito os votos de todos, embora com grande atraso, para promovermos de 'menor' a 'maior' o nosso mais dedicado gandula easista de hoje: LULU CAIEIRA!!!! Aposto que o Pe. Cornelio, motivo deste assunto, diria um sim harmonioso ainda la de cima da janela de seu quarto celeste. Que ele continue cantando todos os dias o seu famoso DOMINUS VOBISCUM para todos! Seoldo.

    ResponderExcluir

  10. Caro Benone,
    Você pegou pesado. A inocência alimenta a alma dos puros e a ilusão floresce em seus corações. Se ela disse que o Lulu era bom de bola é porque lhes foi passado desta forma, é claro. E ela jamais deixaria de acreditar: afinal de contas, trata-se de um casal bem sucedido em todos os aspectos. Diante do fato, não chamaria isso de inverdade, pois o Lulu também poderá acreditar nas suas habilidades futebolísticas e quebrar esse encantamento depois de tantos anos. A crítica impiedosa tira a capacidade de as pessoas se emocionarem com as pequenas coisas da vida, mesmo que sejam apenas fantasiosas. Foi um ato de covardia sem perdão. Como dizia Padre Clemente: só o Papa, mei filho, pode lhe perdoar.
    Um abraço.
    Edgard.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem toda razão, Edgard. Não tinha pensado que poderia ter cometido esta verdadeira heresia. Imagine ! Tirar a credibilidade do Lulu, perante sua digníssima Maria José. Para me penitenciar, vou já comprar um caderno de 48 folhas e escrever o seguinte texto, linha por linha: "Não devo, nunca mais, desmentir o Lulu" !

      Excluir
  11. Você tem toda razão, amigo Edgard. Não havia pensado um pensamento tão profundo. Mas agora, tá dito ! O que posso , fazer para reparar o erro histórico ? Talvez escrever 5.000 vezes : "Não devo, nunca mais, desmentir o Lulu" !

    ResponderExcluir
  12. Assim sendo, retiro tudo o que eu não disse. E Tenho digo.

    ResponderExcluir
  13. Seoldo, se era uma honra para os menores serem gandulas, fico menos revoltada....
    Edgard, muito obrigada por defender a minha ingenuidade....Eu acredito MESMO que o Lulu jogava bem! rsrsrs.
    Benone, faço questão de ver as 5.000 vezes: "NÃO DEVO, NUNCA MAIS,DESMENTIR O LULU!"

    ResponderExcluir

  14. Parabéns, Maria José,
    Você desenvolveu uma belíssima autodefesa com sutileza e aptidão. Foi tão eficiente sua argumentação que deixou no ar algo que cada um de nós - Seoldo, Benone e eu – poderá tirar a melhor conclusão a nosso bel prazer. Saiu-se muito bem da empreitada! Nota dez!
    Abraços.
    Edgard.

    ResponderExcluir
  15. Para todos,
    Pensando bem agora e, sem esquecer do Pe. Cornelio la encima sorrindo, hoje, isto e', atualmente, alguns dos 'menores' daquela epoca sao maiores do que os 'maiores' daquela epoca...Oh!!! Exs.: Santana Toinze / Raimundo Nonato
    Rosalino / Chicao
    Edgard / Azara
    Edmundo / Benone
    Etc..... / Etc......
    Vamos deixar o Lulu de for a para nao dar mais confusao....Oh!!!

    Quanto ao castigo auto castigo do Benone com relacao ao seu tratamento do ainda 'menor' Lulu Caieira ( ate agora nao ganhou nenhum voto para ser promovido a 'maior'), creio que o Pe. Cornelio o absolveria desta vez pela sua 'sincera' humildade pedindo perdao e misericordia aos ofendidos. Porem, Benone, muito cuidado.... ha murmurios por ai de que alguns dos 'menores' estao planejando lhe dar um 'CALDO' la no Rio Amazonas... Oh!!!

    NOTA: Este "OH!!!" no final dos paragrafos e' uma imitacao/inveja do estilo do Caieira, escritor do Blog CONTOS DE SENHORA DE OLIVEIRA ---Bola. Cutuco os Easistas que acessem este Blog pois la encontrarao o conto : O DONO DA BOLA.

    Que todos continuem em paz com todos!!! Abracos Seoldo.

    ResponderExcluir
  16. Ao Seoldo, só temos que agradecer e admirar pele capacidade de escrever um texto cheio de criatividade e boas lembranças, saudando um dos nossos mestres,( que embora não tivesse uma convivência muito efetiva conosco, deixou sua marca entre nós seminaristas) causando um belo e sadio embate de brios , entre velhos "maiores" e "menores" e hoje amigos velhos e velhos amigos.Estou adorando e até me sentindo realizado. Quem poderia imaginar que, depois de 50 anos, pudéssemos estar nos comunicando e brincando, só que agora através do computador ( ai, é graças ao Lulu) também. O legal é que entre mortos e feridos todos saíram salvos, isto é, se não continuarem com a polêmica. Mas estou achando muito legal.
    Quanto ao Pe. Cornélio, que Deus o tenha no Reino da Glória, e ele esteja tocando pianos para os Anjos e para os Santos lá no céu.
    Que esta sadia amizade, perdure pelo resto de nossas vidas. Nonato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até que enfim uma manifestação do nosso Comandante Nonato. Andava meio sumido das paradas de sucesso. Prazer Raimundão. Apareça mais vezes.
      Quanto ao "caldo, " Seoldo, obrigado pelo aviso, Tô ligadão ! Deixa os di-menores comigo ! Eu ainda sou bom dentro d´´agua !
      Modéstia à parte !

      Excluir
    2. Alfredo 29 de março de 2014.
      É muito bom ver que o Seoldo continua o mesmo. Quanto ao Pe. Cornélio, lembro-me muito dele, como uma pessoa altamente capacitada e vaidosa, haja visto a sua elegância, a alvura de sua batina e o brilho de sua calvice que naquela época já se acentuava; lembro-me dele vibrando com meus dribles, principalmente nos "maiores"; lembro-me, ainda, das belas garotas que sempre em "bandos" o visitavam nos finais de semana. enfim... doces lembranças.

      Excluir

  17. Meu caro comandante,
    Você é o cara! Tanto você quanto o Seoldo são, nas entrelinhas, especialistas em nos deixar curiosos ou preocupados: será que falei besteira, será que me desviei do assunto, será que falei demais? Mas isso é válido, faz parte da brincadeira. Gosto muito de quando você fala da nossa linda amizade, desejando que perdure pela posteridade. Eu também, embora não seja uma pessoa extrovertida, valorizo com grande dedicação a amizade e o privilégio de poder conservá-la com todos. Amizade que começou com uns há cinco anos e com outros renasceu depois de 50 anos, embora nunca tivesse morrido, pois estava apenas adormecida. E esta existência me enche de alegria.
    E por falar em amizade, lembro-me muito bem do Carrara. Plagiando o Seoldo, “que Deus o tenha”. Aliás, foi ele quem me ensinou a arte de costurar bolas, o que penso saber fazer até hoje. Devo a ele essa habilidade e a vocês todos devo a habilidade de sermos humildes e verdadeiros em nossas colocações. Cada dia aprendo mais, apesar de ter derramado café na roupa da esposa do comandante no segundo encontro. Sei que fui perdoado pelo Nonato, na hora, e por ela um tempo depois. Afinal de contas, ela estava com toda a razão, só que não era eu, era... Desculpe, peço mil vezes desculpa, prometo que nunca mais vai acontecer.
    Um abraço a todos.
    Com respeito,
    Edgard.

    ResponderExcluir
  18. Queridos amigos easistas. Acabei de mostrar ao marquinhos esta pagina sobre o pe. Cornelio e nos emocionamos juntos. Muito legal. Ele elogia o texto do seoldo. Belas recordações. Mandamos, aqui do hospital, nosso grande abraço a todos vcs.

    ResponderExcluir